{ "data": [ { "event_name": "Purchase", "event_time": 1658753319, "action_source": "email", "user_data": { "em": [ "7b17fb0bd173f625b58636fb796407c22b3d16fc78302d79f0fd30c2fc2fc068" ], "ph": [ null ] }, "custom_data": { "currency": "BRL", "value": 29.9 } } ] "test_event_code:" "TEST83949" }
top of page

Interpretação Textual

INTERPRETAÇÃO E COMPREENSÃO DE TEXTOS


Como sabemos, a leitura é uma prática importantíssima para a construção do conhecimento e principalmente para o exercício da cidadania. Hoje, diante de um mundo extremamente conectado e repleto de dispositivos que permitem intensa interação, compreender aquilo que lemos significa ir além do campo puramente informativo. Os textos hoje são muitos e múltiplos, tipos e gêneros dos mais diversos estão sempre em contato, sofrendo processos de metamorfose onde a criatividade desafia o entendimento e exige um repertório plural, ou seja, uma leitura de mundo ampla e crítica. Interpretar textos significa participar de um processo dialógico, onde autor e leitor permanecem ativos, contextualizando a realidade. Autores como Villaça Koch (2002) afirmam que o texto não deve ser visto como um código a ser decifrado e sim uma teia complexa de sentidos.


Ainda que os processos de interpretação e de compreensão do texto sejam relativamente subjetivos, existem limites que serão estabelecidos a partir do recorte feito pela banca do ENEM ao elaborar suas questões. A maior preocupação deve ser a “alma” do texto, isto é, a sua essência, que pode ser percebida a partir, por exemplo, da identificação do gênero, do tipo textual ou, até mesmo, pela referência que indica onde e quando foi publicado, assim como quem é o autor do texto em questão. Em alguns casos, as questões apresentam uma parte do texto transcrito para ser a base da análise.


A princípio, podemos alcançar duas etapas de leitura: a leitura informativa e a leitura interpretativa. A primeira deve acontecer de forma cuidadosa, por ser o primeiro contato com o texto. Neste primeiro contato com o texto, podemos extrair informações sobre o conteúdo, como perceber qual é o tema, quais são as ideias principais, qual é o tipo e o gênero textual, além, é claro, de ressaltar as palavras–chaves e identificar a ideia central do texto. Após esse primeiro contato, o leitor deve verificar o que pedem as questões referentes ao texto e procurar identificar os trechos que podem lhe ajudar na busca pela resposta adequada ao que foi solicitado.


A retomada, ou seja, a segunda, terceira ou quarta leitura é imprescindível para obter êxito nas questões sobre interpretação de texto, assim, embora, aparentemente, seja possível responder à questão isoladamente, lembre-se de que ainda é uma questão vinculada a um texto, por isso, volte a ele antes de confirmar sua resposta. Um dos recursos que gera dúvidas no candidato advém justamente de uma descontextualizarão de frases ou palavras, por isso é tão importante que você faça uma breve leitura do texto a fim de obter uma resposta consciente e segura.

Referência KOCH, Ingedore G. Villaça. Leitura e o Sentido do Texto. São Paulo. Cortez Editora,2002.


OS PRINCÍPIOS PARA ANALISE DO TEXTO:


  • Ler o texto e identificar a tipologia que aquele assunto possui. Observar se o texto está bem articulado e desenvolvido.

  • Observar se os parágrafos têm alguma correlação que indiquem continuação, conclusão, oposição, alternância, ou seja, alguma relação semântica.

  • Sublinhar no texto a ideia mais importante, que dependerá, antes, da identificação do tipo e, posteriormente, do gênero ao qual o texto se vincula.

  • Ler as questões com bastante atenção, para entender a proposta do enunciado.

  • Após a leitura, escrever ao lado de cada trecho, resumidamente, sua ideia principal.

  • Tomar cuidado com os vocábulos relatores (aqueles que remetem a outros vocábulos). Exemplos: pronomes demonstrativos ou pessoais

DESVIOS COMUNS NA ANÁLISE DE TEXTOS


EXTRAPOLAÇÃO - é o fato de se fugir do texto, ou melhor, colocar ideias ou segmentos que não condizem com a semântica textual vigente. Ocorre quando se interpreta o que não está escrito. Muitas vezes são fatos reais, mas que não estão expressos no texto.


CONTRADIÇÃO - é o fato de se entender justamente o contrário do que está escrito. Um excelente estudo desse tópico será no momento que iremos estudar os efeitos da lógica interpretativa.


REDUÇÃO – Geralmente, esse é o fato de se valorizar uma parte do contexto, deixando de lado a sua totalidade.


ATENÇÃO OFICINEIRO: É importante lembrar que as alternativas têm grande parcela de chance de divulgar uma parte do que foi constatado no texto. Muitas vezes, os estudantes, na tentativa de ganhar tempo, pulam os textos, focando logo no enunciado e nas cinco alternativas. Essa estratégia pode funcionar, mas é preciso ter cautela, algumas questões exigem imersão no texto e possíveis comparações entre eles.



Já conhece a Wiaponira Guedes, nossa professora de Linguagens ?


xxxxx

xxx

xxx

コメント


bottom of page